Home ESTILO DE VIDA Sou nômade digital há 8 anos. 8 gadgets incomuns que sempre...

Sou nômade digital há 8 anos. 8 gadgets incomuns que sempre levo

25
0


O vírus das viagens me picou desde cedo. Eu tinha 10 anos quando minha mãe mandou meu irmão e eu para Mombaça, no Quênia. Ela é queniana e queria que experimentássemos nossa cultura e conhecêssemos a família, mas ela não pôde viajar conosco por causa do trabalho, então meu irmão e eu viajamos de Milwaukee como menores desacompanhados. Eu tinha idade suficiente para me surpreender com a experiência dos aeroportos, dos aviões de passageiros e do pouso em um país onde o inglês não era o idioma principal.

Vozes

Conheça criadores do setor, colaboradores e líderes emergentes que se uniram à premiada equipe editorial da CNET para fornecer conteúdo exclusivo de diferentes perspectivas.

Avancemos para 2013, quando fiz minha primeira grande viagem de trabalho quando adulto. Sou consultor e dono de uma empresa de software, e uma empresa em Sydney me contratou para ir ao escritório e treinar sua equipe.

O autor em Sydney em 2013.

Policial Kimanzi

Voar para Sydney foi uma experiência surreal. O cliente pagou por assentos Premium Economy na Virgin Atlantic, e meu hotel tinha vista para o porto de Sydney e a Ópera de Sydney. Foi nessa viagem que percebi o quanto adorava trabalhar no exterior. O O estilo de vida nômade digital – trabalhar remotamente em diferentes partes do país ou do mundo – me chamou.

Mas eu não poderia ser um nômade digital ainda

Três crianças pequenas me esperavam nos Estados Unidos, onde eu tinha casa, carros e tudo mais que acompanha uma vida “normal”. Continuei a viajar a negócios, mas eram viagens mais curtas, o que foi suficiente para aliviar a vontade de viajar nesse ínterim. De 2013 a 2016, viajei para 38 países para contratos de formação em consultoria empresarial, incluindo Tóquio, Coreia do Sul, Londres, Dublin e Cairo, e aprendi que equipamento levar no caso de surgirem contratempos inesperados.

Mais tarde, quando meus filhos eram mais velhos e moravam com a mãe, levei a sério a ideia de ser um nômade digital. À medida que a possibilidade de uma vida nómada se tornou cada vez mais real, os momentos de excitação foram rapidamente substituídos pela sensação de que estava a abandonar os meus filhos e a minha família.

A terapia me ajudou a entender que duas coisas podem ser verdadeiras: posso viver um estilo de vida nômade e ainda posso ajudar meus filhos. Meus filhos apoiaram meu estilo de vida como nômade digital. Em 2016, vendi todos os meus bens materiais, vendi minha casa e me mudei para Medellín, na Colômbia, para abraçar o nomadismo digital em tempo integral.

Desde então, morei e trabalhei na Cidade do México, Reino Unido, Paris, Madrid, Nairobi, Bangkok, Manila, Kuala Lumpur, Cidade do Cabo, Roma, Lisboa, Nice e Barcelona.

O nomadismo digital permitiu ao autor visitar quase 90 países.

Policial Kimanzi

Os prós e contras de ser um nômade digital

O que mais gosto em ser um nômade digital é como esse estilo de vida é libertador. Gosto de ter menos bens materiais e da possibilidade de viajar para qualquer lugar, a qualquer hora. Também é fácil receber os produtos dos EUA que adoro por meio de sites como o Amazon, se eu quiser que as coisas se sintam um pouco mais em casa. Gosto de experimentar novas culturas, histórias e comidas de outros países. A consultoria e o nomadismo digital permitiram-me viajar por 88 países e viver em mais de uma dezena. Consegui construir meu negócio e ser turista; Trabalho de segunda a sexta e depois exploro qualquer país em que estou nos finais de semana.

O difícil de ser um nômade digital é estar longe da minha família. Tecnologias como FaceTime, Zoom e redes sociais tornam a conexão mais acessível, mas não é a mesma coisa que abraçar meus filhos e sair com eles pessoalmente. Felizmente, meu estilo de vida nômade significa que posso viajar até eles sempre que quiser.

8 gadgets incomuns que sempre levo

Como nômade digital, a tecnologia é essencial tanto para o trabalho quanto para a vida. Preciso ser capaz de fazer tudo o que faria se tivesse um escritório, mas em vez disso, em um Airbnb, hotel ou apartamento alugado. Alguns dos meus equipamentos são óbvios, como meu laptop (MacBook Pro M3), Smartphone (iPhone 15 Pro Máx.) e tags de rastreamento (AirTags).

Hardware de trabalho do autor para viagens nômades.

Policial Kimanzi

Abaixo estão algumas das minhas escolhas de equipamentos mais específicos para nômades.

Doze Sul

Este receptor transmissor de áudio sem fio Bluetooth funciona com AirPods ou fones de ouvido sem fio. Você conecta o gadget ao centro de entretenimento de um avião ou trem, permitindo emparelhar seu dispositivo sem fio. Ele cria uma conexão Bluetooth em qualquer lugar onde haja um fone de ouvido normal.

Saque dos Reis/CNET

Viajo principalmente com cartão de crédito, mas também com algum dinheiro, o que é sempre útil em outros países. Uma boa carteira RFID me traz tranquilidade. A carteira Kings Loot tem proteção RFID, mas também é fina e confortável, e também há um slot na frente para inserir uma AirTag.

Maçã

Passo muito tempo em aviões e nem sempre é conveniente usar um laptop, especialmente em operadoras locais na Europa. Viajo com um iPad Air porque o uso para trabalhar em aviões, assistir filmes e séries em streaming e fazer videochamadas. A capa do Magic Keyboard da Apple é uma capa para iPad, mas eu também a uso para funcionalidade de teclado em espaços apertados.

Técnica de Áudio/CNET

Como tenho uma empresa, dou muitas entrevistas à mídia. Um bom som é essencial, por isso viajo com um microfone dinâmico cardióide Audio Technica ATR2100x-USB. O microfone é portátil e possui várias portas para que eu possa conectá-lo ao meu laptop ou iPad.

Anker/CNET

No início da minha vida de nómada digital, aprendi que não posso depender de aeroportos, hotéis ou outros locais para obter energia. Viajo com um banco de energia Anker MagGo para alimentar meus gadgets quando as tomadas não estão disponíveis. Gosto deste banco de potência (em comparação com os outros que experimentei) porque tem um indicador de uso e carregamento rápido 15x.

Bose/CNET

Vida útil da bateria Avaliado até 20 horasCancelamento de ruído Sim (ANC)Multiponto SimTipo de fone de ouvido Fones de ouvido sem fioResistente à água Sem classificação IP

Sou fã dos fones de ouvido Bose e comprei um par de fones de ouvido com cancelamento de ruído Bose 700 há alguns anos. Eu uso esses fones de ouvido para assistir entretenimento nos voos e nos lugares onde estou hospedado. Os fones de ouvido Bose cabem mais confortavelmente do que os AirPods.

Leia nossa análise dos fones de ouvido com cancelamento de ruído Bose 700.

Apple/CNET

Chame-me de antiquado, mas também gosto de levar um conjunto de fones de ouvido com fio, caso algo aconteça com meus AirPods normais ou eu não consiga fazer meus dispositivos Bluetooth funcionarem. Se você pegá-los, certifique-se de ter os dongles necessários para o telefone e o computador.

Anker/CNET

Tenho todos os adaptadores internacionais, mas às vezes pode faltar tomadas onde estou hospedado, por isso viajo sempre com extensão; é um item subestimado na minha opinião. Este filtro de linha Anker me permite usar um adaptador internacional com o cabo de extensão e, em seguida, conectar todos os outros cabos. A proteção contra surtos também é importante porque cada país regula a energia de forma diferente.

Faça sua tecnologia de viagens trabalhar para você

Esteja você embarcando em uma longa viagem de trabalho remoto ou explorando o nomadismo digital, o equipamento certo torna a viagem mais fácil e agradável ao longo do caminho. Experimente sua configuração em sua próxima viagem de trabalho para descobrir o que funciona melhor para você.





Source link