Home News A tecnologia móvel de varredura ocular pode proteger os policiais de criminosos...

A tecnologia móvel de varredura ocular pode proteger os policiais de criminosos violentos: uma ‘virada de jogo’

30
0


Cadastre-se na Fox News para ter acesso a este conteúdo

Além de acesso especial a artigos selecionados e outros conteúdos premium com sua conta – gratuitamente.

Ao inserir seu e-mail e clicar em continuar, você concorda com os Termos de Uso e a Política de Privacidade da Fox News, que inclui nosso Aviso de Incentivo Financeiro.

Por favor insira um endereço de e-mail válido.

Clarksburg, Virgínia Ocidental – Enquanto o FBI celebra 100 anos de sucesso no seu laboratório de impressões digitais – formalmente Secção de Serviços Biométricos – os líderes estão de olho no futuro, à medida que os avanços na ciência e na tecnologia expandem as capacidades de aplicação da lei.

As impressões digitais agora podem ser coletadas no local com um pequeno anexo no celular do agente. Milhões de impressões palmares foram adicionadas aos bancos de dados de impressões digitais. A tecnologia de reconhecimento facial está ajudando os investigadores a identificar suspeitos.

Mas uma opção nova e eficaz – a leitura da íris – é rápida, precisa e reduz os riscos de segurança enfrentados pelos agentes que detêm criminosos potencialmente violentos. É uma das ferramentas mais importantes da próxima geração que o FBI desenvolveu e espera que mais estados adotem.

“O Iris oferece a capacidade de ter quase o mesmo nível de precisão de identificação por meio de uma imagem da íris, e a única coisa que hoje nos impede de usar mais a íris na impressão digital clara é apenas o tamanho do repositório”, disse Brian Griffith, vice-presidente diretor assistente do laboratório de Serviços de Informação de Justiça Criminal (CJIS) do FBI em West Virginia.

PAINEL DOJ NEGA LIBERDADE A ATIVISTA DE Extrema Esquerda CONDENADO PELO ASSASSINATO DE DOIS AGENTES DO FBI

As varreduras de íris podem ser feitas a até 3 pés de distância em um dispositivo móvel. Eles levam dois segundos e os resultados podem voltar em apenas oito. (iStock)

Existem apenas cerca de 4 milhões de íris arquivadas, segundo as autoridades – em comparação com 162 milhões de conjuntos de impressões digitais.

“Iris vai mudar o jogo”, disse ele.

Mas as impressões digitais e outros dados biométricos ainda terão um lugar na ciência forense, observou John Fox, historiador do FBI. Os suspeitos não deixam os olhos para trás nas cenas do crime.

Funcionários do FBI fizeram uma demonstração da tecnologia durante um evento nas instalações do CJIS em Clarksburg, West Virginia, na quarta-feira.

GABBY PETITO EXORTOU BRIAN LAUNDRIE A ‘PARAR DE CHORAR’ NA CARTA DE AMOR AO SEU ASSASSINO DIVULGADA PELO FBI

Há décadas que os criminosos tentam esconder as suas identidades alterando as suas impressões digitais. Os investigadores da Divisão CJIS do FBI agora podem identificar facilmente os suspeitos, mesmo com impressões digitais alteradas. (Michael Ruiz/Fox News Digital)

Um de seus usos atuais mais práticos até agora é em cadeias e prisões estaduais, disse a segunda chefe assistente do CJIS, Amy Blasher.

“Enquanto eles fazem a reserva, eles fazem uma varredura da íris e, ao libertarem ou removerem o prisioneiro, tiram outra foto da íris e verificam o repositório”, disse ela. “E você não acreditaria quantos prisioneiros que foram… quase libertados [are] não a mesma pessoa. Então esse é um dos melhores casos de uso que estamos vendo.”

O software de digitalização da íris também pode rejeitar leituras de olhos protéticos ou lentes de contato cosméticas que protegem a íris verdadeira, evitando que dados falsos cheguem ao banco de dados.

Os scanners mais avançados podem examinar uma íris a 36 polegadas de distância – o que significa que os policiais podem realizar o teste em um suspeito algemado ou sem ter que tocá-lo fisicamente. A verificação leva dois segundos e os resultados chegam em apenas oito. E os registros da íris são automaticamente vinculados aos registros de impressões digitais, uma vez inseridos no repositório do FBI.

Uma placa na Divisão de Serviços de Informação de Justiça Criminal do FBI, que fica em um complexo de quase 1.000 acres em Clarksburg, West Virginia. (Michael Ruiz/Fox News Digital)

Cada olho tem uma íris única, inclusive entre gêmeos idênticos ou mesmo no lado esquerdo e direito do rosto da mesma pessoa, segundo o FBI. Eles têm cerca de 240 pontos de identificação, permanecem estáveis ​​durante toda a vida de uma pessoa, e uma imagem de computador de uma íris ocupa apenas um único kilobyte de armazenamento.

RISCO DE ATAQUE TERROR NO SOLO DOS EUA AUMENTA PARA NÍVEL ALARMANTEMENTE ALTO, ADVERTEM ESPECIALISTAS

Alguns outros usos da tecnologia da íris incluem a identificação de vítimas falecidas, verificações instantâneas de antecedentes e um método para impedir a libertação errônea de presos sob custódia. Os agentes responsáveis ​​pela aplicação da lei no terreno poderiam ter a ficha criminal de um sujeito na ponta dos dedos quase imediatamente após uma análise – incluindo potenciais violações de imigração.

Após cerca de quatro anos de disponibilidade, as ferramentas já estão em uso por outras autoridades federais além do FBI, incluindo a Segurança Interna e o Departamento de Prisões, mas apenas meia dúzia de estados as adotaram até agora.

Foto e impressões digitais de Al Capone em um display emoldurado fornecido pelo FBI. A Seção de Serviços Biométricos do FBI foi criada há 100 anos para formar um banco de dados central de informações sobre criminosos, incluindo suas impressões digitais. Continuou a evoluir juntamente com os avanços da ciência e da tecnologia. (Michael Ruiz/Fox News Digital)

Parte do atraso é a conscientização, parte é o custo das unidades. Dependendo do tamanho e das capacidades, o preço dos scanners de íris varia de cerca de US$ 190 para uma unidade móvel que se conecta a um celular a cerca de US$ 1.300 para dispositivos mais potentes.

WRAY, DIRETOR DO FBI, AVISADO SOBRE AMEAÇA TERROR POSITADA POR DIAS DE FRONTEIRA ABERTA ANTES DE 8 SUSPEITOS DO ISIS PRESO NOS EUA

Outro atraso potencial são as preocupações com a privacidade, disse Joseph Giacalone, ex-sargento da NYPD e investigador de casos arquivados que é professor adjunto do John Jay College of Criminal Justice.

Esses dispositivos são conectados a smartphones e podem coletar e fazer upload de dados biométricos instantaneamente. À esquerda, este scanner de íris contém um conjunto de óculos de proteção para registrar uma íris no campo sem interferência do sol ou de outras fontes de luz. Dispositivos avançados podem escanear uma íris a até um metro de distância. (Michael Ruiz/Fox News)

“Faz parte do NGI – Next Generation Identification do FBI e é um sinal de que o futuro está aqui”, disse ele à Fox News Digital. “É como qualquer outra nova tecnologia, será avaliada pelos defensores da privacidade e pelos tribunais antes de vermos usos amplos ou mesmo aceitos”.

Griffith reconheceu que alguns críticos do programa podem levantar preocupações com a privacidade, mas disse que o FBI está a exercer extrema cautela para proteger as liberdades civis dos americanos, ao mesmo tempo que tira partido da nova tecnologia.

Os scanners de íris usam “luz infravermelha próxima” para rastrear os padrões do anel colorido ao redor da pupila de uma pessoa. (FBI)

“À medida que a Iris cresce, surgirão as mesmas questões que surgiram em torno do reconhecimento facial”, disse ele. “Se eu conseguir coletar uma íris à distância, há uma série de questões de privacidade que certamente enfrentaremos, mas estamos envolvendo todas essas tecnologias no máximo rigor político para garantir que as liberdades civis sejam sempre protegidas”.

COLAPSO DA PONTE DE BALTIMORE: EQUIPES DE SALVAMENTO CORREM CONTRA O RELÓGIO APÓS ENCONTRADO O QUARTO CORPO, FBI LANÇA SONDA

Giacalone previu que o FBI superará essas preocupações em benefício das autoridades policiais em todo o país – eventualmente.

“Isso se tornará parte do ângulo principal da investigação, mas levará tempo”, disse Giacalone. “Olha, eles ainda estão brigando com o reconhecimento facial, então isso não vai acontecer da noite para o dia.”

Há um século, as impressões digitais eram tiradas no papel com tinta. Mais tarde, os primeiros equipamentos digitais móveis pesavam 25 quilos e precisavam ser carregados em uma mochila. Agora os investigadores podem usar um item menor que a palma da mão para coletar e enviar impressões digitais do campo.

O BSS celebrou seu 100º aniversário na quarta-feira, com o diretor do FBI, Christopher Wray, visitando o laboratório do CJIS na Virgínia Ocidental para elogiar o trabalho realizado lá e creditá-lo pela solução de alguns dos maiores casos criminais que já abalaram os Estados Unidos, incluindo os atiradores de Beltway que horrorizou a capital do país durante três semanas em 2002.

Christopher Wray, diretor do Federal Bureau of Investigation (FBI), fala durante uma audiência do Comitê Judiciário da Câmara em Washington, DC, EUA, na quarta-feira, 12 de julho de 2023. (Al Drago/Bloomberg via Getty Images)

Griffith chamou o laboratório CJIS de “a ponta da lança” para o FBI e as autoridades. As autoridades disseram que a divisão desempenha um papel em praticamente todos os casos criminais de importância nacional.

O FBI também ofereceu demonstrações de algumas das tecnologias que os investigadores do BSS estão usando para auxiliar a aplicação da lei em todo o país.

Leitores móveis de impressão digital, que se conectam a um celular e têm o tamanho aproximado de um mostrador de relógio, foram usados ​​para identificar quatro das seis vítimas do desabamento da ponte Francis Scott Key em Baltimore, Maryland, em março.

A impressão palmar tem sido usada para impedir criminosos que eram suficientemente inteligentes para não deixarem impressões digitais – mas não suficientemente inteligentes, como um suspeito de roubo que espiou por uma janela, deixando provas antes de arrombar.

CLIQUE AQUI PARA OBTER O APLICATIVO FOX NEWS

Mesmo os criminosos que tentam alterar as suas impressões digitais cortando as pontas dos dedos e costurando-as num padrão diferente podem ser identificados por analistas especializados. E algoritmos de computador ajudam os investigadores a classificar um enorme banco de dados de imagens, identificando algumas correspondências prováveis ​​antes que os humanos tomem as decisões finais.

O FBI espera que mais agências aproveitem seu crescente kit de ferramentas.

“[The issue] é certamente uma consciência dos serviços”, disse Griffith. “Mas também temos que entender o que está acontecendo em nossa comunidade policial neste momento. O pessoal responsável pela aplicação da lei diminuiu, o que significa que as cargas de trabalho são maiores. O envolvimento na rua é maior. Eles precisam de algo que seja fácil de usar. Precisamos ter certeza de que nossos serviços sejam sempre apresentados a eles da maneira mais fácil e desejável.”



Source link