Home News Empresa de armas israelense leva Canadá a tribunal após desqualificação de contrato...

Empresa de armas israelense leva Canadá a tribunal após desqualificação de contrato militar

37
0


Um empreiteiro de defesa israelense está levando o governo canadense a tribunal depois que a empresa afirma ter sido retirada da disputa por um contrato multimilionário de equipamento militar sem explicação.

A Elbit Security Systems Ltd. afirma em um requerimento apresentado ao Tribunal Federal no mês passado que os Serviços Públicos e Compras do Canadá se recusaram a explicar sua “suposta desqualificação” de um contrato de telêmetros a laser portáteis para as Forças Armadas canadenses.

Elbit diz que a recusa do governo em apresentar as suas razões até depois da adjudicação do contrato impede a empresa de ter “uma oportunidade plena e justa de competir”.

A empresa afirma que não pode “participar de forma significativa” no processo de aquisição porque o governo federal está “retendo indevidamente” informações sobre o motivo pelo qual desqualificou a oferta da Elbit.

Elbit foi alvo de manifestantes no Canadá, inclusive na cerimônia do Prêmio Scotiabank Giller do ano passado. Manifestantes com cartazes dizendo “Scotiabank Financia Genocídio”, criticando os investimentos do banco em Elbit, subiram ao palco na cerimônia em novembro.

A equipe jurídica da empresa Fasken, sediada em Toronto, se recusou a comentar o pedido apresentado em 20 de junho em Ottawa.

Num comunicado, os Serviços Públicos e Aquisições do Canadá afirmaram que o governo federal “utiliza processos de aquisição abertos, justos e transparentes”.

Elbit afirma que o contrato vale potencialmente dezenas de milhões de dólares e deveria ter sido adjudicado no final do mês passado, mas a declaração dos Serviços Públicos e Aquisições do Canadá afirma que o processo de aquisição “continua e espera-se que um contrato seja adjudicado ainda este verão”.

Ele disse que não comentaria o caso de Elbit porque o assunto está sob apreciação do tribunal.

A Elbit afirma em seu pedido de revisão judicial que a desqualificação foi “processualmente injusta, incorreta e irracional”.

“Isso também prejudica a integridade das compras e as obrigações consagradas nos acordos comerciais do Canadá para garantir o acesso justo e aberto às oportunidades de compras governamentais através de uma estrutura transparente e eficiente”, diz o requerimento da Elbit.

A empresa afirma que a retirada da corrida colocou a Elbit “em uma desvantagem competitiva significativa… e resultou em perdas econômicas”.

A empresa é fornecedora de longa data do Departamento de Defesa Nacional, com contratos anteriores para equipamentos de visão noturna no valor de milhões.

O contrato em questão surgiu pela primeira vez em janeiro, mas a empresa diz que foi informada em maio que a sua proposta não atendia aos “benefícios industriais e tecnológicos obrigatórios”, conforme exigido por uma política de Inovação, Ciência e Desenvolvimento Económico do Canadá.

A política “exige contratualmente que as empresas adjudicadas a contratos de aquisição de defesa realizem atividades comerciais no Canadá iguais ao valor dos contratos que ganharam”, afirma o site da Inovação, Ciência e Desenvolvimento Econômico do Canadá.

A recusa do Canadá em explicar melhor por que a empresa foi desqualificada deixou-o “com a grave preocupação de que o Canadá possa ter aplicado critérios de avaliação não divulgados, o que é contrário aos princípios fundamentais de justiça, transparência e igualdade nos contratos públicos”.

Ele disse que a falta de divulgação dos motivos representa uma “violação flagrante da lei por parte do Canadá na condução das compras”.

A empresa quer que a Justiça Federal anule a decisão de inabilitação e suspenda a adjudicação do contrato enquanto se aguarda o desfecho do processo judicial. Também quer uma ordem para que o governo divulgue o motivo da desqualificação da Elbit.

“O requerente tem o direito de esperar que o Canadá siga os seus processos e aplique as leis, independentemente da origem do fornecedor”, diz o requerimento da Elbit.


-Darryl Greer em Vancouver


Este relatório da The Canadian Press foi publicado pela primeira vez em 10 de julho de 2024.



Source link