Home News Intrigas enquanto projeto de lei que busca assentos legislativos especiais para mulheres...

Intrigas enquanto projeto de lei que busca assentos legislativos especiais para mulheres é aprovado em segunda leitura na Câmara dos Representantes

17
0


O projeto de lei que busca criar assentos parlamentares especiais para mulheres nas Assembleias Nacionais e Estaduais destruiu na terça-feira a Câmara dos Representantes depois que os membros discordaram fortemente sobre o conteúdo do projeto.

Depois de muito debate, foi aprovado em segunda leitura na Câmara dos Deputados e foi encaminhado à comissão da Câmara para mais trabalhos legislativos.

O projeto foi patrocinado pelo vice-presidente da Câmara, Benjamin Kalu e outros 13 parlamentares.

Alguns membros manifestaram-se contra a legislação proposta, antes da aprovação em segunda leitura, insistindo que seria contrária à Constituição.

Patrick Umoh, em suas contribuições, disse: “Podemos parecer muito emocionados com este projeto de lei. Mas a realidade é que quando um projecto de lei está a ser apreciado na Câmara dos Representantes, temos de o harmonizar com os princípios consagrados na Constituição da República Federal da Nigéria. E a lei é que toda lei que seja inconsistente com a lei da constituição da república federal da Nigéria será, na medida de sua inconsistência, nula.

“Minha posição é que apoiamos a igualdade para todos os indivíduos. Mas devemos opor-nos a qualquer lei que desafie qualquer posição da constituição. A constituição é clara em termos de igualdade, no que se refere ao género, no que se refere à raça, no que se refere à religião.

“Podemos estar entusiasmados com a lei hoje, mas devemos olhar para a posteridade. Devemos olhar para a norma básica da República Federal da Nigéria, que é a constituição. E a constituição desaprova raça, sexo ou religião.”

Além disso, Billy Osawaru advertiu os proponentes para que olhassem para a implementação da lei, em vez de quererem parecer bem na televisão.

Apoiando o projeto, Chike Okafor, implorou à Câmara que o aprovasse, portanto, o vice-presidente estava presidindo.

Ele disse: “O patrocinador principal está presidindo. Vamos respeitar esse fato”,

Liderando o debate anterior sobre a legislação proposta, Joshua Gana, que é um dos patrocinadores do projeto de lei, disse que busca a alteração das Seções 48 e 49 da Constituição de 1999 (conforme alterada) para fornecer um assento especial para mulheres , por estado e no Território da Capital Federal (FCT) com vigência a partir de 2027.

Gana acrescentou que o projeto também busca a alteração do “artigo 91 para prever três assentos especiais reservados exclusivamente para mulheres nas Assembleias de cada Estado da Federação, que serão distribuídos pelos três distritos senatoriais de cada Estado.

“Emendas consequentes às secções 71, 77 e 117 para, em última análise, estabelecer círculos eleitorais especiais reservados exclusivamente para mulheres, garantindo a sua eleição direta e participação em casas e processos legislativos tanto a nível federal como estadual.”

As cadeiras especiais, segundo ele, estão sujeitas a revisão a cada dezesseis anos.

“A lógica por trás desta alteração baseia-se nos princípios de justiça e inclusão. Globalmente, a Nigéria está atrás na representação das mulheres no parlamento, classificando-se entre as mais baixas. Os países que implementaram acções afirmativas, como o Ruanda e Andorra, registaram avanços significativos no sentido da igualdade de género na governação.

“Este projeto de lei propõe uma medida temporária de reserva de assentos para mulheres para catalisar progressos semelhantes na Nigéria, garantindo que as perspetivas e prioridades das mulheres sejam totalmente integradas nos nossos processos de tomada de decisão nacionais e subnacionais.”

O legislador afirmou ainda que “a questão da igualdade e representação de género está no cerne da nossa democracia constitucional. Apesar da garantia constitucional de igualdade de direitos, a representação das mulheres nas nossas Casas Legislativas tem sido alarmantemente baixa.

“Nas 7ª, 8ª e 9ª Assembleias, as mulheres representavam apenas 6,4%, 6,1% e 2,7% do Senado respectivamente; e 6,4%, 3,05% e 4,7% da Câmara dos Representantes, respectivamente.

“Estas estatísticas sublinham a necessidade urgente de medidas proactivas para garantir uma representação equitativa e amplificar as vozes das mulheres nas nossas casas legislativas a nível nacional e subnacional.”

O projecto de lei acabou por ser aprovado em segunda leitura após um extenso debate pelos legisladores e foi encaminhado à Comissão de Revisão da Constituição, pelo Vice-Presidente, Benjamin Kalu, que presidiu o plenário.



Source link