Home News O desastre do debate de Biden nivela o campo de jogo com...

O desastre do debate de Biden nivela o campo de jogo com Trump

25
0


WASHINGTON-

Dentro de uma semana, o presumível candidato presidencial republicano, Donald Trump, aceitará oficialmente a nomeação do seu partido, tornando-se o porta-estandarte do Partido Republicano em Novembro.

Antes daquele desastroso desempenho no debate do Presidente Joe Biden, foi o próprio Trump, recém-saído de uma condenação criminal histórica, que fez com que muitos meios de comunicação e observadores políticos questionassem se um veredicto de culpado condenaria as suas hipóteses e as do seu partido neste outono.

No entanto, a decisão de imunidade do Supremo Tribunal, combinada com um desempenho fracassado no debate por parte do titular, fez com que a sorte do adversário republicano aumentasse exponencialmente. Entretanto, os índices de aprovação do comandante-em-chefe estão a despencar e o partido está a fragmentar-se à medida que se tornam mais fortes os apelos para que o presidente abandone a corrida.

Faltando menos de 120 dias para os eleitores irem às urnas, Biden caiu no afundamento político; o mesmo lugar em que Trump se encontrou tantas vezes antes. Agora, pela primeira vez, ambos os candidatos estão em pé de igualdade, uma vez que cada um enfrenta uma crise de confiança por parte dos eleitores.

Se um dia na política presidencial é considerado uma vida inteira, aquele desempenho desmoralizante de 90 minutos que Biden apresentou no palco do debate em Atlanta tornou-se uma sentença de morte. A horrível exibição de Biden causou pânico nos círculos democráticos e mudou completamente a trajetória desta corrida.

Agora, pela primeira vez neste ciclo eleitoral, Trump já não é a estrela do espectáculo, sendo substituído no topo pela capacidade cognitiva diminuída de Biden. As preocupações com a idade e a saúde do presidente estão fazendo com que os democratas peçam abertamente sua remoção imediata como candidato do partido. Embora apenas um pequeno grupo de legisladores e candidatos ao Congresso tenha pressionado publicamente por mudanças, as vozes minúsculas, mas estrondosas, abalaram o tom e o teor da corrida, levando a campanha de Biden e toda a infra-estrutura Democrata a um frenesim.

Os candidatos eleitorados agora temem que um presidente Biden, apático e frágil, possa arruinar suas chances de manter o controle do Senado e retomar a Câmara em novembro. Outrora avesso a apresentações públicas e à divulgação nos meios de comunicação social, o presidente está agora a envolver a imprensa e até a participar em esforços de divulgação improvisados ​​para acalmar um público cansado e em pânico. Depois de ver Trump gerir uma cavalgada de tempestades que impactaram a sua candidatura, agora é Joe Biden na berlinda.

Para ser claro, a idade avançada de Biden tem sido o seu calcanhar de Aquiles no momento em que foi anunciado o vencedor em novembro de 2020. Além disso, evitando consistentemente a encenação da presidência e invocando um desdém estranho por se envolver na ótica de fazer o trabalho, Biden ergueu barreiras que o isolaram dos eleitores.

Estas mesmas barreiras também criaram distância entre os eleitores e as muitas vitórias legislativas duramente conquistadas do presidente. Mais assustador e debilitante devido às longas ausências dos olhos do público, tornou impossível para a Casa Branca de Biden transmitir eficazmente uma mensagem de sucesso ao povo americano.

Como resultado, os índices de aprovação de Biden caíram para níveis alarmantemente baixos. Ainda assim, a Casa Branca manteve o rumo, concentrando-se em acumular uma vitória após a outra, mesmo quando milhões de americanos permaneceram sem noção e, pior ainda, ambivalentes em relação a estas conquistas.

Agora, uma crise que possa nivelar as esperanças do presidente num segundo mandato e ameaçar as hipóteses de Biden alcançar a imortalidade eleitoral é uma possibilidade muito real. Tal como o seu adversário político, Biden está agora a travar batalhas em múltiplas frentes e não está claro se, aos 81 anos de idade, tem a resistência, a clareza e a cognição para reunir uma defesa viável.

Uma base de doadores outrora poderosa que agora questiona o seu investimento na campanha; legisladores e candidatos do Congresso pressionando ativamente por mudanças; e uma imprensa implacável que define a narrativa em vez de a reportar. Estes são os muitos desafios que se aproximam rapidamente das ambições de reeleição do político ao longo da vida.

Apoiadores esperam pelo candidato presidencial republicano, o ex-presidente Donald Trump fala em um comício de campanha no Trump National Doral Miami em 9 de julho de 2024, em Doral, Flórida.

No entanto, ao contrário de Trump, que aprecia as lutas e mesmo aos 78 anos ainda mostra uma propensão para desviar e bloquear uma infinidade de ataques, Biden, abrigado dentro da bolha presidencial, ainda não mostrou agilidade e agilidade para navegar com sucesso nos golpes incessantes que têm perfurou seu círculo íntimo, pós-debate.

Desde o início da época de campanha, estes dois políticos geriátricos apenas partilharam em comum o esmagador desrespeito por parte de um eleitorado abatido e completamente desinteressado na revanche que agora testemunham.

No entanto, à medida que o presidente se depara com uma guerra em várias frentes relativamente ao seu legado, às possibilidades de reeleição e até ao seu carácter, ele está agora em pé de igualdade com o seu principal antagonista, que, até recentemente, o ataque era a norma.

A situação é tão intensa que mesmo um registo estelar ao longo de três anos não é suficiente para proteger o Presidente Biden do violento fogo político que o envolve. A confiança na capacidade de Biden para liderar tanto a curto como a longo prazo é tão baixa que o seu outrora insultado e perenemente demitido vice-presidente é agora visto como um potencial salvador do partido e um mítico matador de Trump.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e a vice-presidente Kamala Harris dão as mãos depois de assistirem aos fogos de artifício do 4 de julho na varanda da Casa Branca em Washington, em 4 de julho de 2024 (Susan Walsh / AP Photo)

No entanto, salvo que isso aconteça, o Presidente Biden terá primeiro de eliminar as dúvidas persistentes que o perseguem antes de poder efetivamente reunir um esforço para sair da situação em que se encontra neste momento. Basta perguntar a Trump, ele sabe o que é melhor. E agora, Biden também.

Eric Ham é um autor de best-sellers e ex-funcionário do Congresso dos EUA. Ele atuou como colaborador do TheHill.com e do The Washington Diplomat. Ele reside em Washington, DC.



Source link