Home News Ucrânia vai deter Putin, diz Biden à OTAN em discurso contundente

Ucrânia vai deter Putin, diz Biden à OTAN em discurso contundente

21
0


WASHINGTON-

Joe Biden defendeu vigorosamente as conquistas da política externa da sua presidência ao dar as boas-vindas aos estados membros da NATO numa cimeira em Washington, na terça-feira, que está a ser observada de perto pelos aliados nacionais e estrangeiros em busca de provas de que o combativo presidente dos EUA ainda pode liderar.

Biden, de 81 anos, enfrentou 12 dias de perguntas contundentes sobre sua aptidão para o cargo, enquanto alguns de seus colegas democratas no Capitólio e doadores de campanha temem que ele perca a eleição de 5 de novembro, após um desempenho hesitante no debate em 27 de junho.

“(Vladimir) Putin não quer nada menos, nada menos, do que a subjugação total da Ucrânia… e varrer a Ucrânia do mapa”, disse Biden, referindo-se ao presidente russo. “A Ucrânia pode e irá deter Putin.”

A Casa Branca espera que ele consiga virar a página da especulação com o seu discurso, no qual falou com uma voz forte e confiante e evitou quaisquer erros verbais ou sinais de confusão que marcaram o seu desempenho no debate.

Biden rejeitou apelos para se afastar na corrida contra o republicano Donald Trump, de 78 anos, prometendo vencê-lo em novembro. Até agora, ele ainda conta com o apoio da maior parte da elite do seu partido.

O presidente dos EUA fez da restauração das alianças tradicionais dos EUA no estrangeiro a peça central da sua política externa, depois de Trump ter desafiado os aliados como parte de uma abordagem “América em Primeiro Lugar”.

O vencedor em Novembro poderá ter um impacto substancial no futuro da NATO, da Europa e do resto do mundo.

Trump sugeriu que, dado um segundo mandato, não defenderia os membros da NATO se estes fossem alvo de ataque militar e não cumprissem a meta de gastos com defesa da aliança de 2% do respetivo PIB. Ele também questionou a quantidade de ajuda dada à Ucrânia na sua batalha contra a invasão da Rússia.

A peça central da cimeira da NATO deveria ser novos compromissos de ajuda militar e humanitária à Ucrânia, bem como uma ponte para aquele país devastado pela guerra se juntar à aliança de 32 membros.

Zelenskyy luta por mais

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, chegou a Washington na terça-feira e disse que iria “lutar” para que a OTAN fortaleça as defesas aéreas ucranianas e forneça mais caças F-16, pedidos que Washington parecia prestes a atender.

“Estamos a lutar por garantias de segurança adicionais para a Ucrânia – e estas são armas e finanças, apoio político”, disse ele num vídeo nas redes sociais.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse que a OTAN anunciaria um novo comando militar na Alemanha para treinar e equipar as tropas ucranianas e nomearia um representante sênior em Kiev para aprofundar os laços. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que a cimeira “fortaleceria ainda mais” o caminho da Ucrânia para a adesão à OTAN.

O Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse aos líderes da indústria de defesa em Washington que os líderes se comprometeriam a permitir que os fabricantes de armas na Europa e na América do Norte produzissem mais.

Ele também disse que a OTAN fez um pedido de mísseis antiaéreos Stinger no valor de quase 700 milhões de dólares em nome de vários estados membros.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, participa de cerimônia no monumento do Holodomor, em 9 de julho de 2024, em Washington. A IMPRENSA CANADENSE/Adrian Wyld

Os mísseis Stinger disparados pelo ombro têm sido muito procurados na Ucrânia, onde conseguiram travar com sucesso os ataques aéreos russos, e nos países europeus vizinhos que temem poder também precisar de repelir as forças russas.

Zelenskyy deve se reunir com Biden na Casa Branca na quinta-feira e fazer um discurso na noite de terça-feira. Depois de rejeitar os apelos de alguns colegas democratas para que Biden renunciasse, a Casa Branca espera voltar a focar-se na sua capacidade de governar normalmente.

Assessores disseram que o seu discurso de abertura na NATO iria destacar o que a sua administração vê como uma conquista fundamental: uma NATO mais forte e mais unida, sob a liderança de Washington, com mais membros e uma determinação para satisfazer as suas necessidades de segurança colectiva.

Isso traz, dizem, resultados tangíveis para os eleitores americanos: um país mais seguro, com uma posição económica internacional forte, mais alianças e poder no exterior, e menos risco de conflito com os seus adversários.

Trump e muitos aliados republicanos rejeitam tais argumentos.

O poder de permanência de Biden?

A OTAN, que celebra o seu 75º aniversário, encontrou um novo propósito ao opor-se à invasão da Ucrânia por Putin e a guerra opressiva dominará as conversas privadas entre os líderes dos países.

Esses líderes, já preocupados com a perspectiva do regresso de Trump, vieram a Washington com nova preocupação sobre o poder de permanência de Biden, segundo diplomatas dos seus países. Um deles descreveu Biden como machucado após um período político difícil e disse que seu governo estava procurando sinais sobre se ele sobreviveria politicamente.

Biden realizará uma rara conferência de imprensa individual na quinta-feira, também com o objetivo de acalmar as preocupações.

Os líderes da OTAN enfrentam incerteza política na Europa, com a paralisia iminente em França, após ganhos para os partidos de esquerda e extrema-direita e a coligação do chanceler alemão Olaf Scholz enfraquecida após um fraco desempenho nas eleições para o Parlamento Europeu.

O novo primeiro-ministro britânico, Keir Starmer, disse, quando se dirigia para a sua primeira cimeira da NATO, que cumpriria o compromisso de campanha de aumentar os gastos com a defesa do Reino Unido para 2,5 por cento do PIB, mas sublinhou que só o faria quando o país pudesse pagar e depois de um revisão da estratégia de defesa.

Em última análise, a Ucrânia pretende aderir à NATO para evitar futuros ataques da Rússia, mas os candidatos têm de ser aprovados por todos os membros da aliança, alguns dos quais têm receio de provocar um conflito directo com a Rússia.

Alguns membros querem que a aliança deixe claro que a Ucrânia está a avançar em direcção à NATO “irreversivelmente” e estão interessados ​​numa declaração de cimeira que vá além da promessa da aliança no ano passado de que “o futuro da Ucrânia está na NATO”.

Um alto funcionário da OTAN disse na terça-feira que a Rússia não tem munições e tropas para iniciar uma grande ofensiva na Ucrânia e precisa garantir suprimentos significativos de munição de outros países, além do que já possui.

Mas ele estimou que a Rússia seria capaz de sustentar a sua economia de guerra durante mais três a quatro anos e também disse que “levará algum tempo” até que a Ucrânia tenha acumulado as munições e o pessoal necessário para montar as suas próprias operações ofensivas em grande escala.

(Reportagem de Trevor Hunnicutt, Patricia Zengerle, Steve Holanda e Sabine Siebold; Reportagem adicional de Andrea Shalal, David Brunnstrom, Humeyra Pamuk, Jonathan Landay, Elizabeth Piper e Doina Chiacu; Edição de Don Durfee, Heather Timmons, Deepa Babington e Rosalba O’Brien)



Source link